VIVENCIAL

Viver o cotidiano não exime da tarefa de pensá-lo, como não o faz a prática de experienciar a cultura em suas formas mais acabadas, inclusive naquilo em que nelas se imiscui a chamada vida comum. A proposta deste blog é constituir um espaço de intersecção entre esses campos vivenciais para pessoas que, como nós, têm na reflexão crítica um imperativo para a existência digna do corpo e do espírito – individual e social.

domingo, 10 de novembro de 2013

O sonho e o sacrilégio


Se é noite e um sonho dança,
irreal, à tua frente,
vês o mundo qual criança:
nada sabes, de tudo és inocente.

A mão com que sentiste
o calor de uma cabeça iluminada
não precisa ser cortada:
tudo é sonho, nada existe.

Ante o filtro, nenhum mal alcança
a ilusória carne farta e perfumada:
não abusaste de nenhuma confiança.

É sagrado o que se move, pensa e sente,
mas de um sonho só se quer não estar doente
quando ao sol se esvair a madrugada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário